domingo, 17 de março de 2013

23:55

- Chuva. -

Enquanto ela cai eu me molho.
Enquanto ela cai eu imploro.
Eu choro e rio, um rio, uma enchente, uma tempestade.
Enquanto ela cai eu me esqueço que poesia deveria rimar.
Só lembro que a vida é pequena e deve se aproveitar.
Deve-se degustar de cada pequeno segundo.
Mesmo que uma gripe eu pegue, não vou me secar.
Mesmo que de longe eu peque, vale a pena sonhar.

A chuva vai caindo e eu rindo me ponho a cantar.
Não há problemas, deles eu me esqueci.
Não há certezas, delas eu me despedi.
Deixo ela cair, me lavar, amar e libertar.
Faço louvação aos 'deuses'.
Me faço chuva também.
Aqui está somente a chuva e eu.
Minha alma e o trovão.



0 comentários:

Postar um comentário