terça-feira, 25 de março de 2014

17:35

Dicas de uma caminhante perdida no passado.

Eu inventei de ser feliz e no fim do dia agradeci pelo caminho percorrido. 

Decidi não viver de pequenas coisas e isso inclui não se estressar por tudo, não morrer a cada novo problema, afinal vou ter que morrer uma hora, e isso pode ser daqui a pouco, melhor não antecipar a dor. 
Aprendi que mesmo chorando por dentro o sorriso é a melhor resposta, e que nunca, NUNCA vão te entender de verdade, as pessoas tem noção do que sentimos, mas não sentem como nós, aliás poucas delas se colocam no nosso lugar, então não se esforce tanto para se colocar no delas. A vida não é um jogo de grandes e pequenas escolhas, é certo que haverão as importantes, mas nem tudo vale tanto que uma noite bem dormida. 
Seja mais flexível com você, se sabe que vai se estressar com determinado assunto ou atitude, que não terá paciência, se assegure que não falará mais do que o necessário, mas se for preciso crie uma cena, ninguém melhor que você sabe qual a melhor atitude a ser tomada, não se martirize por isso. Descobri neste caminho que não quero me culpar, isso não é justo comigo, então faça o que fizer, faça porque é o melhor pra você, mesmo que demorem a se acostumar entenda que você também tem de se acostumar com a escolha dos outros, vivemos em um mundo onde cada uma escolhe como viver, e nós estamos neste mundo também não é? 
Enfim, se precisarmos mudar que seja para nossa melhoria, mas que este processo seja respeitado e no nosso tempo, se for pra chorar que façamos para aliviar o peso da jornada, não para desistir, e se precisar voltar, que seja pra ser mais feliz que antes. 

Ah e se não funcionar com você, crie suas próprias dicas, até porque sou só uma caminhante perdida, de um tempo que não volta mais.

sexta-feira, 14 de março de 2014

16:05

Poesia nua e crua.

Poesia,
Que me ilumina
Que me inspira
Que me reflete.

Poesia,
Que me salva
Que me liberta
Que me desperta

Poesia que me toma
A forma
O gesto
A expressão.

Me cobre com teu fel.
Me reveste de mel.
Sonda e caminha.
Me ensina o caminho da vida.
Me faz amar.

Rega-me natural,
Cresce-me solta,
Revolta de sol, estrelas e luas mil.
Inunda-me.
Lança-me sobre teu corpo hostil.

Poesia, oh doce amada!
Orgásmica paixão.
Sonho dos sonhos mais loucos.
Arrebata-me!

Poesia,
Que me alimenta
Que me sustenta
Que me contempla.

Poesia,
Que me violenta
Que me mata
Que me dá vida.

quinta-feira, 13 de março de 2014

00:39

A gente vai perdendo.

Aprendi desde cedo a perder.
Perdi brincos
Sapatos
Meias
E roupas.
Perdi alguns amores e amigos.

Um vez perdi o ônibus.
Outra a virgindade.
E certa vez perdi a hora.
Perdi a vontade.

Perdi os dentes quando criança.
Também perdi dinheiro.
Os matérias de escola.
Um livro que muito amava.

Um dia perdi um show muito bom.
Perdi meu jeans favorito.
O anel da sorte.
E a blusa que nem era minha.

Perdi o medo
A coragem
O jeito
E documentos. 
Perdi tantas coisas que nem me lembro.

Em todas as vezes que perdi
Chorei
Mas não tem jeito.
Desde cedo a gente aprende 
Que vai perdendo 
As coisas
E as pessoas.