sexta-feira, 8 de agosto de 2014

17:12

Meu sentimento em gotas

Aperto no coração, boca seca e olhos encharcados    
Um turbilhão de sensações, variações de sentir
Querencia, carência e demência.

Tudo escore pela boca
Inunda minh'alma
encharca o colchão.

Entre risos e soluços sinto, re-sinto e pinto
Há falta tua pela casa toda
Escrevo tua boca, há minha.

Vinda de fora para dentro
Externizo o eterno
Findo com a dor em gotas de amor.

sábado, 2 de agosto de 2014

17:10

Poesia de um caderno velho.


É o sufoco da alma que nos faz poetas.

E escrevo por amor.
Perdidamente invocando o que há.
Absurdamente sonhando.
Aprisionada no querer.
Sufocada por saber.
A sinceridade me toma por completo, ai me calo.
Não há vocação sem vontade.
Não há medo, sem renuncia.
E eu renuncio.
A vida é feita de renúncias feitas por amor.
Tomo o lápis a mão,
E me ponho a escrever.
Renunciando aos desejos da alma.
Me entregando ao amor.

Que a poesia nos afete e a sensibilidade nos preencha.