quarta-feira, 8 de março de 2017

11:39

Bruta Flor

Aqui jaz um corpo,
não um corpo comum,
um corpo de mulher
machucado
subjugado
padronizado
comercializado
violentado
violado
silenciado.


Aqui está a mulher
que a tudo suportou,
fez da dor revolução
liberta
empoderada
militante
corajosa
sonhadora
ousada
dona de si.

Todas mulheres, algumas como mais ou menos privilégios,
mas todas mulheres.
Todas vivendo sob domínio patriarcal,
sobrevivendo, 
ou tentando sobreviver ao machismo,
algumas sobrevivem, outras não.
Todas na luta por melhores condições de vida, 
de sobrevida.
No país que te matam por ser mulher,
no país que bota a vitima no banco de réu
e ao estuprador rende homenagens. 
Mulheres com suas belezas, 
várias, 
múltiplas, 
diversas.
Cada uma de um jeito,
com sua intensidade 
e resistência necessária.
Apesar das dores, há suas delícias.
Ser mulher é a difícil tarefa
de aprender e desconstruir 
todo dia,
aquilo que fomos educadas a ser
e aquilo que desejamos e temos o direito de ser,
Mulher.